Contato

[contact-form][contact-field label=’Nome’ type=’name’ required=’1’/][contact-field label=’Email’ type=’email’ required=’1’/][contact-field label=’Site’ type=’url’/][contact-field label=’Comentário’ type=’textarea’ required=’1’/][/contact-form]

6 comments for “Contato

  1. Hallyson Jucá
    19 de outubro de 2017 at 20:19

    Um escravo, um conto.
    Não constava na página dos classificados. Era um escravo de capa, digno dela e posto à venda no maior jornal do Brasil. Não havia senhorio e paguei-lhe diretamente com um conto. Nada a mais ou a menos. Assim são os negócios, a favorecer os mais astutos. Pudera, quem imaginava um ministro escravo?
    Agora, de papel passado, Mendes era meu escravo.Quis resmungar…Bastou um grito mais estridente para que ele entendesse sua nova condição. Para não duvidar, mostrei, como se assim não desejasse, a chibata apropriada para os insurgentes. Postou-se, então, como vassalo, tal como manda os novos decretos dos velhos mandantes.
    Comecei amordacando-o; já não suportava sua voz há alguns dias. Depois, determinei que capinasse 2 ou 3 hectares de terra bruta, com açoites à animar seu espírito. Não se passaram 5 ou 10 minutos, o capataz o trouxera aos berros, sob o pífio argumento de que o homem não nasceu pra isso. Ele chorava, apenas. Ora, nada que uma dezena de chibatadas não resolva! Mas não o fiz, preferi usá-lo de uma forma diversa. Anseiava por escravo domesticável, para os afazeres do lar. Mas ele não sabia servir. Pior, já sem mordaça, tinha o inconveniente, certamente herdado dos tempos da liberdade, de falar mais do que deveria. Como última oportunidade, instiguei-lhe a dizer o que sabia fazer. Ficou mudo, nunca havia sido escravo de verdade. E eu, que imaginava lucrar, já contabilizava um conto de prejuízo.
    Tudo isso se deu pela manhã. Antes que o dia findasse, já imaginava que meu tino para o comércio de pessoas, ainda mais de escravos, era falho. Um conto foi muito. Não valia tanto! Mas, como se sempre soube, desses contos não se pede torna; ficou por isso mesmo. O problema agora era outro. Queria revendê-lo, sem nada perder. O anúncio, desta feita, eu mesmo fiz: repasso um escravo, supremo não é, por um conto apenas.

    Hallyson Jucá

  2. Elde
    8 de setembro de 2017 at 13:19

    Professor, desculpe o assunto no lugar errado, mas estou inconformada demais com a postura do tal do Ricardo Kotscho: o sujeito parece direitoso demais! Será que tá mudando de lado? Igualzinho ao Cristovam Buarque! Ave Maria!

  3. Mellinho
    1 de setembro de 2015 at 16:21

    Prof. Hari
    Parece que os senhores não querem trabalhar.
    Com tanto assunto pra ser comentado e não vejo movimento.
    – Cunha nos orgulha falando na ONU.
    – FHC foi erroneamente interpretado sobre renúncia.
    – Não está faltando água em SP
    – Os blogs independentes serão punidos por Cunha
    – Não só bonecos são inflados, mas crise também.
    Vamos gente !

  4. Genivaldo Silva
    29 de junho de 2015 at 21:06

    Nunca antes havía visto tanta “babozeira” em um blog só!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *